Livros

a-moca-alegre

A moça alegre do sorriso triste Madest

“Quem quiser vencer na vida deve fazer como os seus sábios: mesmo com a alma partida, ter um sorriso nos lábios.” Dinamor

Que desafios apresenta uma nova vida, num outro lugar? Madest, menina simples e do campo, deixa sua cidade natal, Viçosa, para viver aventuras inesperadas na pequena e encantadora Lavras. Ao mudar-se, junto à família, Madest não poderia imaginar em quantas aventuras, romances, mistérios e tragédias sua vida se transformaria.

Como escolher entre dois amores? Seria Arnoldo, moço abastado da cidade, de futuro promissor, o grande amor de Madest? Ou seria Carlinhos, moço do campo, simples e forte, o homem a conquistar o coração da menina alegre do sorriso triste?

O que você faria se sua mãe fosse raptada? Madest foi além. Superou-se.

Muniu-se de coragem e de um sorriso no rosto e enfrentou, com muita bravura, todos os desafios que a vida resolveu lhe apresentar.

Qual o limite do crime, do sexo, da sedução? De forma envolvente e cativante, Paulo Rodarte trabalha esses temas e narra a estória da menina alegre do sorriso triste, abordando questões comuns e reais do dia-a-dia, fazendo-nos refletir e despertar para a necessidade de seguir além dos desafios da vida, de superar a tristeza e vencer na arte de ser e existir.

Talita Lara Carvalho Nassur

Amazon Livraria cultura


mugido-de-vaca-e-cheiro-de-curral

Mugido de vaca, cheiro de curral

Não sei o que pensam as vacas. Se no cocho cheio de trato, se no touro a descobrir-lhes o cio, se na ordenha que vai acontecer na madrugada fria, no preço do leite que despenca nas águas, no destino do pobre bezerrinho macho, um reles gabiru sem serventia, na pastagem ressequida do mês de agosto, na água poluída do ribeirão, nos bernes e carrapatos parasitando-lhes o couro, na idade em que agora estão.

2016 não tem sido um ano fácil. Acredito, não apenas para os brasileiros, como idem ao mundo inteiro.

A crise mostra os dentes banguelas. A falta de perspectiva de crescimento nos acena com sua língua de fora.

O comércio, a indústria, profissionais liberais, todos os setores ressentem-se da falta de recursos dos consumidores, pobres desafortunados envolvidos na ciranda financeira que roda sem sair do lugar.

E eu, quase deixando os 60 para engrossar as fileiras dos setentões, me atrevo a lançar mais um livro.

Como foi difícil eleger, não os candidatos que se apresentam ao pleito próximo, dentre mais de mil crônicas, essas pobres míseras pouco mais de duzentas, cada uma expressão de um momento de tristeza, de alegria, de preocupação, exalando de dentro do meu eu toda a sensibilidade que jorra aos borbotões no cotidiano de um médico urologista, cada vez mais inspirado, sem saber quantos anos mais vai durar toda essa predestinação a escrever.

Como disse, não é demais repetir, 2016 não tem sido um ano fácil.

A saúde vai bem. Até quando? Não sei. As finanças repetem a cara da fase em que o país atravessa. A inspiração tem altos e baixos. Sou como o tempo. Refém das oscilações do vento.

Na fase em que atravesso tenho sido um náufrago de sonhos desfeitos.

Primeiro, tive de me desfazer da minha querida Urolito. A clínica de tratamento de cálculos renais implodiu como um pedra tratada por aquela máquina que por vezes fracassa. Como fracassam por vezes os sonhos.

Depois foi a vez da minha rocinha prejuizenta. Dado ao prejuízo motivado por um fazendeiro ausente, deixei meu sonho rural, minhas vacas tatu-com- cobra, meus patos e galinhas, meus cavalos, mãe e filho, minha casa amarelazul, tudo aquilo, que amo tanto, em mãos expertas de um amigo.

Agora apareço por lá apenas para um passeio. Dá gosto ver, nos sábados bem cedo, a vacada de bucho cheio, os dois cavalos prontos à monta, as galinhas ciscando alegres, os canarinhos da terra amarelando devagarzinho.

Roça, para dar certo, carece de olho do dono. Caso contrário a renda, que já é limitada, vai pelo ralo do abandono.

Nesse ano de 2016 aconteceu mais uma notícia boa. Dentre outras de pior sabor.

Nasceu meu primeiro neto. Um garoto lindo como um bezerrinho novinho, que suga as tetas da mãe pela vez primeira. É um gabiruzinho de futuro alvissareiro. Tomara seja um bom médico, um melhor fazendeiro, um escritor bem melhor que o avô.

Não importa no que o Theo se torne. O importante é que seja feliz, e consiga distribuir amor.

Tomara que o novo livro: Mugido de vaca e cheiro de curral, recheado de textos testemunhas de um momento meu, reflexo do dia a dia, uns melhores, outros, nem tanto, agrade aos leitores.

Sei que é difícil agradar a todos. Que pelo menos ele agrade ao Theo, assim que meu primeiro neto aprenda como é apetitoso ler.

Entre em contato


cronica-de-um-sonho-interrompido

Crônica de um sonho interrompido

Somos donos do nosso destino? Podemos concretizar nossos sonhos, simplesmente direcionando as nossas ações para determinados fins? Ou, ao contrário, seria o destino um furacão que nos arrebata e nos leva para onde iríamos deliberadamente? Seriamos meros fantoches nas mãos ( boníssimas ou cruéis) do tempo? Ler a presente obra os leva a indagações como essas. A heroína, Sabrina, menina mulher de beleza incomum,nativa do Brasil, representa o espírito de todos nós, que amamos, que temos desejos e fazemos o bem e o mal, muitas das vezes sem intenção. Nós, todos nós. Em uma trama repleta de suspense, ação, desejo, traições, jogos de poder muitas das vezes sem pudor, mas também plena de humor, de sutilezas, de amizade, de beleza, de nostalgia e de grandes reviravoltas, Paulo Rodarte, seu autor, nos remete, seja lá nas bandas do Tio Sam ( inclusive o Havaí), ou cá no Brasil, em Goiânia, a um mundo desconhecido, que por isso mesmo causa estupefação, piedade, alegria, indignação, e todos os sentimentos possíveis, ainda que contraditórios. Crônica de um Sonho Interrompido é uma obra indispensável aos que- parafraseando o escritor- todos os dias quando acordam optam pela felicidade.

Luiz Fernando de Oliveira

Editora Multifoco


20161103_142816

O mundo das sombras

Quem conhece o médico Paulo Rodarte exercendo a Urologia ou escrevendo suas deliciosas crônicas nos jornais de Lavras, e até mesmo seus livros de onde exala sensibilidade, fica se perguntando como ele pôde se interessar por um tema tão árido como este.

E não é só isto. Como pôde abordar com tanta propriedade e delicadeza os terríveis problemas da cadeia local, que é o retrato de todas as que existem no país.

É incrível como ele, neófito no assunto, tenha ido direto ao ponto, tocado na ferida aberta, sem receio, porque, apenas com o coração receptivo, boa vontade e disposição de ouvir, descobriu, e nesta linda obra mostra que os encarcerados são seres humanos como qualquer um de nós, em sua maioria pessoas que tiveram poucas ou nenhuma oportunidade de serem “do bem”.

Visitando, conversando e se interessando pelos presos, tocou-lhes a alma, conquistou suas confianças, e assim foi capaz de descrever cada um, identificando-os por carinhosos adjetivos, mostrando suas histórias, suas fragilidades e seus lados humano, aquele que ninguém olha e imagina, por que não quer enxergar, totalmente dissociado do criminoso e do crime, que a mídia mostra com pinceladas às vezes cruéis, e que, de certa forma agrada a opinião pública.

O grande mérito do autor está em expor a realidade carcerária em cores reais, o que certamente vai conscientizar as pessoas da importância de se fazer alguma coisa, já que aqueles envolvidos na questão penitenciária não estão interessados, muito menos atentos, quer na recuperação do condenado, quer na segurança do cidadão.

Esta obra é um grito de alerta contra o imobilismo, a má vontade e a cegueira de todos, fatores que, associados a marcha-a- ré do Estado na solução do angustiante problema carcerário, contribuem para o aumento da violência e da criminalidade em todo país.

Zilda Maria Youssef Murad.
Juíza de direito da Comarca de Lavras – MG

Estante virtual


foram-se-as-nuvens

Foram-se as nuvens

Um passarinho, destes que nos visitam as varandas interioranas às tardes , confidenciou-me: ” Quem escreve um livro constrói um castelo. Quem o lê, passa a habitá-lo “.

Matutando ali no balanço gostoso da rede preguiçosa , como eu , veio-me à mente logo um menino- passarinho, contador de causos e estórias, escrivinhador de coisas bonitas, que tem os pés banhados nos regatos cristalinos que descem cantarolando morro abaixo e a alma branquinha como a fumaça que foge do fogão de lenha, deixando aquele familiar e indefectível cheirinho suspenso no ar de café passado na hora. Um menino que me faz pensar em um jardim em flor e nos bem-te-vis que ali se aninham e brincam festivos ao se reconhecerem no alarido dos seus estridentes mas convidativos ” bem te vi ” ! Um menino que dá leveza à leveza.

Mas Paulo Rodarte é também assim: um médico impecavelmente vestido de um branco diáfano da ética , jamais maculada com qualquer atitude que não seja servir ao outro – também não nasceu para ser servido- , comprometido com seu trabalho médico e com seus ideais hipocráticos , jurados e impecavelmente cumpridos há compridos 35 anos.Como seu amigo e colega médico de turma daquele antes ” magricela, olhar esperto e altivo…indomável “‘ , sei que dentro dele mora um anjo de amor, ternura e dedicação ao próximo que abre suas grandes asas acolhedoras para levar o melhor de si e de seus vastos conhecimentos médicos aos que dele necessitam. Agora, dá-se um pouco de merecido descanso das lides nosocomiais que ele aceita com a serenidade do dever cumprido. Mas ainda faz da sua Urolito, clínica urológica de ótimo padrão , um templo de acolhimento e de servidão ao próximo, além de ser o seu honesto e justo ganha-pão. Afinal, quem nasce médico, morre médico.

Mas de repente, não mais que num repente, chegam os fim de semanas e lá se vai o honorável Dr Paulo Rodarte se despindo pela vida de seus afazeres médicos, pondo num cabide a engomada indumentária branca , abandonando a velha maleta de couro cheia de petrechos mil num canto qualquer, lacrando a volumosa agenda de compromissos, desligando-se de celulares e de tudo e de todos para voltar a ser o que é e sempre será : um menino simplesmente.

Como um experimentado peão que conhece bem a sua montaria , sobe célere na sua velha caminhoneta, engata e chega logo a uma quinta marcha , como que esporeia o acelerador e vai sentir o vento despentear seus ralos e aloirados cabelos até ganhar o canto de sua roça , sua rota de fuga, onde sua alma habita em todos os rincões sonhados.

Ali, atento a tudo que se lhe apresenta na vida campesina, embevecido e enamorado pela vida, vai pintando com matizes bem escolhidas uma aquarela de pensamentos que reproduzir-se-á em crônicas , pouco tempo depois , o que desfilou ante seus olhos estupefatos e atentos, coisas e fatos que se aninharam dentro dele , as prosas trocadas com os homens simples dos lugarejos – felizes em seu buraco até ” quando jogarem terra por cima” , o matuto recém-ajuntado que ” antes era eu só. Agora , é dois comigo ! ” , tudo isto que faz o doce encantar deste menino ainda não de todo envelhecido! Que surpreende tanto , daí o seu encanto!

Temos assim, privilegiadamente, em letras roseanamente cheias de neologismos e de encantos surpreendentes , a estória do pé-de-couve que cantou como canarinho belga, do seu cãozinho Willie que o abandonou e fugiu para viralatar na cidade grande, conhecemos a onírica vovó das rosas amarelas, os cãezinhos Pretinho e Toquinho trancafiados, com sentimento de autoculpa, e ” que só tinham fidelidade a oferecer …e não ingratidão “, o combate perdido para os guerreiros marimbondos, em ordem unida , nas jabuticabeiras carregadinhas e atapetadas de frutos , a maritaca que escolheu ser orquídea, , a apologia da vida ao ar livre e o correr pelas pradarias acompanhando o percurso diário do sol , entre vacas , equinos, cercados, caminhos de chão batido e ladeados de matagais , entremeados de ipês e dos trinados dos pássaros.

Paulo é um homem urbano mas com uma alma roceira , ecologicamente atenta às coisas da natureza, como apiedar-se da verde amiga que partiu – ” Que pena que a grande árvore da praça morreu! “-, dos famintos a banquetearem-se do capim viçoso que crescia num lote ermo, a sensação de um aquário vazio pela perda do companheiro aquático Zebrão, sem despedidas ou velório condizente.Apesar de aparentar nítida felicidade tem também, próprio dos poetas e estetas, um coração hipertrofiado de sensibilidades pelo amor saudosista e paternalista , o que lhe dá momentos de solidão e angústia , resultado nítido de sua idolatria pelos seus filhos queridos , pássaros viajantes em busca do infinito e da autorrealização profissional, que buscam suas próprias respostas. Em alguns de seus escritos acobertados de dor acho que a lágrima carrega-lhe a pena pois a humanidade de Paulo é muito maior que a sua compreensão do moinho cruel da vida que nos esmaga e nos reduz à miséria afetiva por querermos fazer o mundo à nossa maneira sentimental. Assim, igualmente chorei com ele ao lê-lo na crônica em que visita a casa de seus pais, onde nasceu, à Rua Coqueiral 155, em Boa Esperança , onde seu pé- de- camélias rosas não estava mais lá, tomado pelo mato cruel da saudade , assim como eles, seus pais queridos. Outro chororô com o ” Crescer dói , e como dói no coração “, bárbaro bilhete esquecido numa gaveta de escrivaninha da desbravadora filhinha ausente. Bem como outro bilhete emulador de um pai pra sua cria…desencantada com os percalços iniciais da carreira em flor da advocacia, ” não se amofine, meu filho.Um dia ,vai melhorar “. Bons pais às vezes tornam-se manteigas derretidas pelo amor aos filhos, seu bem maior.

Às vezes, Paulo Rodarte se nos mostra outras inquietações interiores , ” momentos de farol baixo ” em que busca ” a solução para encontrar de novo a alegria “,filosofando ou ensimesmando sobre temas existenciais, pra aguentar esta solidão maldita que nos joga no abismo de nós mesmos, ” a dor mais doída do mundo ” como a sincera angústia d’alma ” pois quem não tem alma não sofre…” . Como diria Fernando Pessoa: ” O poeta é um fingidor,finge tão completamente que chega a fingir que é dor a dor que realmente sente “. Assim, incognitamente, também Paulo o é…

Explicitando Deus como não sendo ” um pássaro preso na gaiola da razão…pois amor não tem razão “, deplorando a perda de um amigo íntimo na ” dor de um abraço que foi embora…para nunca mais retornar …”, dissertando sobre o amor fundido tal uma amálgama, no dicotomismo real e virtual , na figura do único ” valente e paciente ” amor total e verdadeiro à sua esposa , sua “santinha protetora…um esteio onde amarro minha égua pampa, durante as horas de prazer quando vou à roça ” …. vivenciando juntos um ensolarado e gratificante amor familiar. Paulo é família!

Este é o Paulo Rodarte que se dá a conhecer. E que nos brinda agora com mais esta obra fecunda de lindas e memoráveis crônicas de vida interior , escrevinhadas na simplicidade de quem tem a erudição de resolver a complexidade do escrever bem e bonito, sem rebuscamentos. Garimpar palavras, burilá-las , irmaná-las e dar-lhes vida própria num estilo sucinto e esmerado que nos dá deleite e prazer de viajar e nos reconhecermos em suas estórias. Algumas cheirando a solidariedade e cumplicidade como a do menino engraxate adotado, outras maluco beleza como a do celular perdido nas parafernalhas de uma bolsa de mulher; são tantas crônicas e tão gostosas de se ler que a gente tem dó que se chegue ao ponto final.

Pois como dizia Mario Quintana, ” um bom poema é aquele que nos dá a impressão de estar lendo a gente…e não a gente a ele”..

Também, Chaplim dizia que ” cada um tem de mim exatamente o que cativou “. Paulo Rodarte nos cativa totalmente pois temos dele este transparente e cristalino lado menino, moleque , de pés descalços no chão, livre e solto como o cantar dos bem-te-vis. E isto nos basta e nos plena. Pois nos identifica . E como ele apregoa, em sua reencontrada felicidade de voltar às caminhadas pelos campos e de escrever inspirado , e bem , “‘ caminhe, homem, faça como eu faço, não o que eu digo. Graças às pernas, fiquei de bem comigo…”

E eu, como admirador e amigo confesso, arremato: ” – graças às penas, Paulo Rodarte, ficaste de bem consigo” .

Parabéns, meu amigo menino bem-te-vi ! Repetindo-me, se eu compraria um livro seu:

-Responderia mehor se dissesse a você que o seu livro já me comprou…

Ao lê-lo, como você cismei de ser FELIZ!

Nelson Antônio, 28 de fevereiro de 2010

Entre em contato


Outros livros

Entre em contato